Entenda os motivos das crises agudas da coluna vertebral com o fisioterapeuta Carlos Murayama

Muitas crises agudas da coluna vertebral (travamento, pinçamento, dor intensa) podem se tornar crônicas e persistentes. Isto se deve ao seu cérebro, principalmente. 

Em outros casos, mesmo sem crise aguda, a dor pode iniciar de repente e durar mais de 6 meses, 1 ano ou até décadas. 

E por que isto ocorre em nosso organismo? 

Uma das explicações de cientistas e especialistas da área, como eu, se atribui ao nosso SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC). Que é a parte do nosso organismo responsável pela interpretação da dor. 

Percebo que em inúmeros casos, a lesão que o paciente sofreu já cicatrizou e já melhorou os tecidos relacionados a coluna (músculos, discos, ossos, etc), mas a percepção da dor continua.  

Isto se deve a alguns mecanismos envolvidos no processo traumático da dor, fatores psicológicos e sociais. A dor continua por: 

  1. Memória da dor 
  2. Medo, preocupação relacionada à coluna  
  3. Gatilhos mentais que disparam antes mesmo de usar a coluna 
  4. SNC super estimulado pela dor no passado, ficando uma “lembrança” 
  5. Estresse 
  6. Cansaço físico e mental 
  7. Noites mal dormidas 
  8. Sedentarismo 
  9. Crenças negativas sobre dor, coluna, disco 
  10. Interpretações errôneas em “não usar a coluna”, “não forçar a coluna” 
  11. Evitação do movimento da coluna vertebral 
  12. Aumento da sensibilidade cerebral relacionada a coluna 

Todos esses fatores acima podem interferir na sua dor nas costas. 

E agora, como reverter este quadro doloroso? 

Além de modificar o que está ao seu alcance, como o sono por exemplo, você precisará passar por exercícios terapêuticos guiado e direcionados pelo Fisioterapeuta (além de educação, orientação, esclarecimentos). 

Seu corpo, sua coluna, seu cérebro e seu organismo precisam de um RE-TREINAMENTO dos movimentos da coluna. Atrelando os exercícios com as orientações. 

Tanto para fortalecer, quanto para “dessensibilizar” estas percepções dolorosas (diminuir a dor), independente do diagnóstico que você possua (hérnia, protrusão, degeneração, desidratação do disco, etc). 

Em repouso com dor crônica, o seu problema nunca será resolvido. 

Seja ativo com sabedoria! 

Aprenda com um Fisioterapeuta Especialista.

Renato Murayama 

Fisioterapeuta 

Especialista em Ortopedia e Dor